segunda-feira, 9 de abril de 2007

A Páscoa, duas ovelhas e um alienígena.



Acordo certos dias com a certeza da não-finitude. Obviamente, com todo ímpeto de pessoa ultra-quero-enganar-a-mim-memso-sou-cética-!!! refuto a premissa da suposta eternidade e caio no cotidiano enfadonho, esperando o bordão "from ashes to ashes; from dust to dust (ou algo do tipo)".

Bom, hoje, naturalmente, acordei completamente cotidiana. Ressaca pós-tentativa "Pascoal/ Pasqual" de domingo de esquecer qualquer celebração mística ou frase de "ah, pelo menos nos encontraremos na outra vida" regada a vinho tinto. Volto a mim. Volto ao trabalho e volto a "futucar" a internet - como toda suposta "jornalista" (e atenção às """"" de jornalista) e descubro algo perfeito para ilustrar meu bom humor cotidiano. Realmente. De vez em quando, o X passa a valer a pena.





Para entender a los extraterrestres.


Estudio etnológico de una creencia contemporánea. Wiktor Stoczkowski.


Tradução de Francisco S. García-Quiñonero Fernández. Acento Editorial. Madri, 2001.


(...) Com este título se apresenta a edição espanhola da obra "Des hommes, des dieux et des extraterrestres" do etnólogo Wiktor Stoczkowski. Sua intenção declarada é submeter a estudo desde a perspectiva etnológica uma crença contemporânea, a teoria de que a civilização humana surgiu como conseqüência do trabalho colonizador de visitantes extraterrestres.”





****







Lembro do Guardador de Rebanhos, voltando a F.P.




Li Hoje

Li hoje quase duas páginas
Do livro dum poeta místico,
E ri como quem tem chorado muito.
Os poetas místicos são filósofos doentes,
E os filósofos são homens doidos.

Porque os poetas místicos dizem que as flores sentem
E dizem que as pedras têm alma
E que os rios têm êxtases ao luar.

Mas flores, se sentissem, não eram flores,
Eram gente;
E se as pedras tivessem alma, eram cousas vivas, não eram pedras;
E se os rios tivessem êxtases ao luar,
Os rios seriam homens doentes.

É preciso não saber o que são flores e pedras e rios
Para falar dos sentimentos deles.
Falar da alma das pedras, das flores, dos rios,
É falar de si próprio e dos seus falsos pensamentos.
Graças a Deus que as pedras são só pedras,
E que os rios não são senão rios,
E que as flores são apenas flores.

Por mim, escrevo a prosa dos meus versos
E fico contente,
Porque sei que compreendo a Natureza por fora;
E não a compreendo por dentro
Porque a Natureza não tem dentro;
Senão não era a Natureza.





3 bocejos:

A. disse...

"Nos dias em que Deus não me dá poesia,
Olho para pedra
E vejo pedra."

(vou me lembrar quem escreveu isso, depois eu posto)

ex (ainda) adormecida disse...

Desfazendo possíveis problemas de interpretação. O poema...obviamente não é meu. É do Pessoa. (Do Guradador de Rebanhos).

ex (ainda) adormecida disse...

Um amigo me deu uma dica boa sobre o assunto. A questão do livro é realmente falha, pois só transfere o problema de localidade. Ou seja, os ET's se tornam então os responsáveis pelo debate do divino, da eternidade, e todo horóscopo de banheiro que vem junto.